SAEPE | Sociedade de Anestesiologia do Estado de Pernambuco

Ações no Setembro Amarelo ajudam a desmistificar o suicídio

aumentar fonte Diminuir fonte
22 de Setembro de 2017

O Setembro Amarelo, campanha internacional dedicada à prevenção de suicídios está chegando ao fim, mas a questão pode, e deve, ser discutida em todas as épocas do ano. Em Pernambuco, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e Conselho Federal de Medicina (CFM) desenvolveram uma série de atividades socioeducativas ao longo do mês, iniciativa que a SAEPE elogia e apoia. As ações incluíram palestras, debates e atos públicos.

Uma outra oportunidade de discutir o tópico é o V Fórum Acadêmico de Saúde e Espiritualidade, que nesta edição terá o suicídio como tema central. O evento, aberto ao público, será nesta sexta-feira (22), às 19h, no auditório do Cremepe (Rua Conselheiro Portela, 203, Espinheiro). O encontro terá duas palestras: Suicídio e comportamento suicida – para além do efeito Werther, com Leonardo Machado, doutor em neuropsiquiatria pela UFPE; e Compreensão médica sobre o suicídio – perspectivas históricas, literárias e filosóficas, com Rodrigo Marques, professor do departamento de neuropsiquiatria da UFPE.

“É um tema que não pode ser encarado como tabu e precisa ser mais debatido”, diz a presidente da SAEPE, Jane Amorim, sobre a necessidade de ampliar o diálogo em relação ao assunto. A própria ABP defende que a desmistificação sobre o suicídio e promoção da informação são formas de prevenir o ato, uma questão de saúde pública mundial. Segundo estimativas da OMS, uma pessoa se suicida a cada 40 segundos em todo o mundo. 

O Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde (MS), registrou aumento de 12% no número de suicídios em quatro anos. O boletim epidemiológico divulgado pelo MS no dia 21 de setembro contabiliza 62.804 mortes por suicídio no país, entre 2011 e 2016. Pela média, são 30 suicídios diários. É a quarta maior causa de morte de brasileiros entre 15 e 29 anos; no mundo, o suicídio é a segunda causa entre essa faixa etária. 

Confira aqui cartilha sobre o tema elaborada pelo Conselho Federal de Medicina e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).